Home

This is an hidden article.

A importância dos projetos EVB no contexto da realidade marajoara

No Pará, o maior foco de pobreza está em Marajó. Foi essa a conclusão do relatório do TCE (Tribunal de Contas do Estado) com dados do IBGE de 2008. Aline Brelaz, que descreveu as principais conclusões deste relatório, mostra a grande desigualdade entre a Ilha do Marajó e as demais cidades do Estado do Pará.

Quanto à saúde, por exemplo, o relatório aponta a falta de médicos para atender a população. Em Belém, o número de médicos é de 12,7 para cada mil habitantes, em Marajó esse número é de 1,1 médico para cada mil habitantes. Nesse sentindo a Fundação entra com o Projeto Verde Legal de hortas comunitárias com plantas medicinais, que ajudará a população a se tratar de doenças que muitas vezes podem ser tratadas com as plantas nativas, além de formação de cooperativas.

Segundo o relatório, apesar do crescimento do acesso aos serviços de saneamento básico, o Estado do Pará ainda não conseguiu atingir nem 50% do atendimento à população. Imagine no pedaço de Marajó! Tem-se a necessidade urgente de implantação de sistemas acessíveis de tratamento de água e esgoto que façam com que a população saiba gerir seu próprio sistema, não dependendo das políticas públicas excludentes. Nesse sentindo entram os Projetos de Saneamento Básico e Potabilidade da água, que ajudam também no combate à malária.

A alfabetização é considerada baixa, um dos fatores que influenciam nesse quadro é a carência de professores na região. Muitos que lecionam não são profissionais  da área, selecionados para tal função devido ao melhor conhecimento dentre os membros da comunidade. A Fundação Villas-Bôas entra em ação com os projetos de bibliotecas (Bibliotecas Kurumim), promovendo ações que inspiram as crianças a quererem aprender mais através de peças teatrais e publicação de livros de poemas escritos pelas próprias crianças.

Diante de tudo isso os problemas não acabam por aí: o grande estigma da região é prostituição infantil, com seus vícios – Entra então em ação o Projeto de Educação Sexual. O que fazer ao nos deparamos com tais situações? De fato os projetos da Fundação vão ajudar em muito em todos esses problemas, mas só isso não basta, é necessário a mobilização de todos para fazer com que esses projetos tenham continuidade com as próprias pessoas. Quem sabe, então, no próximo Censo do IBGE poderemos nos alegrar ao analisarmos os novos relatórios?

 

 

Fonte: Pará: Maior foco de pobreza está no Marajó. http://www.noticiasdaamazonia.com.br/6190-para-maior-foco-de-pobreza-esta-no-marajo/

Fundação Villas-Bôas

Olá a todos!

É com grande alegria que o Blog da Fundação Villas-Bôas faz sua primeira postagem. Nas primeiras matérias iremos falar sobre a Fundação, sua missão, seus membros e seus principais projetos. Esperamos comentários e sugestões de todos! Boa leitura!

Fundada em 2008, a Fundação Villas-Bôas - FVB é uma instituição sem fins lucrativos com sede em Belém, no Estado do Pará. Sua principal missão consiste na execução de projetos que promovam o desenvolvimento social e ambiental de forma sustentável por todo o Brasil, os quais serão realizados em parceria com a sociedade civil visando assegurar a proteção dos recursos naturais locais e, ao mesmo tempo, garantir a qualidade de vida às presentes e futuras gerações.

Desse modo, incentivamos a implantação de centros tecnológicos e a realização de pesquisas científicas que contribuam para a formação de capital humano para a elaboração e execução de projetos que melhorem a vida de forma integrada, e colaborem para a autonomia e fortalecimento de populações esquecidas por seus representantes.

Como praticar o desenvolvimento sustentável na Amazônia? Essa é uma reflexão que precisa ser realizada por todos nós.

É nesse sentido que buscamos um desenvolvimento que leve em consideração a questão socioambiental em todas as esferas de decisão e participação, evidenciando a necessidade de que precisamos semear um pensamento crítico que vá além de idéias pautadas pela cultura do consumo.

Como exemplo, se quisermos diminuir a degradação ambiental, podemos mostrar à sociedade as consequências de seus hábitos de consumo para a conservação dos ecossistemas. Se quisermos que os proprietários rurais mantenham ou façam a recomposição das Áreas de Preservação Permanente (APP) ou da Reserva Legal (RL), podemos trazer à luz os benefícios oriundos da preservação dessas áreas e de se trabalhar de modo interrelacionado com elas, a exemplo da atividade econômica e sustentável do ecoturismo. É justamente nessa direção que nós da FVB buscamos a difusão de idéias e métodos, visando a legitimidade da gestão participativa das populações locais, em direção a um desenvolvimento mais sustentável nesse momento decisivo de nosso planeta.

Não adianta nutrir a ilusão de que será possível preservar a Amazônia como um santuário intocável, pois a preservação do meio ambiente não ocorre apenas através de proibições e fiscalização. As respostas para o problema ambiental devem ser transversais e devem englobar as dimensões política, econômica, social e cultural que proporcionem à todos nós o “pensar globalmente e agir localmente”. Do contrário, corremos o risco de nos guiarmos por um modelo de gestão excludente e anti-democrática que negligencie questões de alta prioridade, como a sustentabilidade econômica das comunidades e a conscientização ambiental, tendo como conseqüência o agravamento dos problemas recorrentes de cada região.

Pode-se promover o desenvolvimento com a floresta em pé, desde que haja planejamento e participação dos cidadãos que dela se beneficiam.

Assim, a concretização de nossas idéias e projetos só se faz possível com a colaboração de diversos parceiros, como universidades, empresas e outras organizações não governamentais. Sabemos que o caminho a percorrer é longo, mas com transparência, ética e respeito ao ambiente de forma sistêmica, ou seja, com tudo que nele se inclui, a não adesão a partidos políticos, a escolha seletiva dos colaboradores, investidores e patrocinadores, temos um ponto de partida para que possamos contribuir para o desenvolvimento socioambiental e econômico da região amazônica, e de todo o território brasileiro, com mais justiça e equilíbrio em todos os aspectos.

Atualmente, a FVB administra dois projetos de relevante importância para a nação brasileira: Projeto Expedição Villas-Bôas e Projeto Brasil - Banco de sementes para o reflorestamento da Amazônia, os quais serão apresentados e detalhados nas próximas postagens, que serão realizadas semanalmente, conjuntamente com a equipe que os compõe.

Valorizar a o homem, a fauna, a flora, a vida, essa é a missão da FVB!

1° Encontro Regional de Ativistas Ambientalistas

 Fundação VILLAS-BÔAS apoia 

 

1° Encontro Regional de

Ativistas Ambientalistas

21, 22 e 23 de Abril de 2011

Prezados amigos (as),

No próximo fim de semana, feriadão de 21, 22, 23 e 24 de abril, estará ocorrendo no farol de Santa Marta, o 1° Encontro Regional de Ativistas Ambientalistas, um evento destinado a reunir ativistas ambientalistas da região sul (SC/RS) para debatermos formas de ampliarmos a Rede de apoios e mídias destinadas a denunciar a criminalidade ambiental que assola diversas regiões do país, em especial nestes Estados que se encontram a mercê de diversas ações que degradam o meio ambiente e penalizam aqueles que denunciam, com ameaças e ilações que prejudicam a militância e colocam em risco o meio ambiente da sociedade, quando diversos atores-sociais que dedicam e expoem suas vidas até, para defender a natureza e a vida no planeta, estão agindo sem um plano e uma estratégia conjunta.
Este evento teve nossa participação na preparação dele, na concepção da idéia junto com o ativista João Batista da ONG Rasgamar lá do farol de Santa Marta, quando descubrirmos que lá está o lugar onde devemos nos agregar e como um feixe, sem permitir que nos dobrem com as ameaças, buscar fortalecermos nossa ação de proteção dos bens naturais de todos nós.
Construimos também o site e todo material de divulgação que está no endereço acima.
Nossa participação, estará condicionada a apoio que eu possa receber de todos os amigos que envio este e-mail, pois terei um custo de R$ 250,00 (incuindo a passagem ida e volta, o custo para estadia e alimentação em 3 dias de evento), quando estaremos na programação trabalhando o tema da Ação em Rede e da organização da Rede Ativista Nacional que irá agregar pessoas e movimentos em todo o país, potencializando a voz daqueles que defendem a natureza.
É a primeira vez que faço isso de solicitar este apoio, mas se receber a contribuição de vocês, poderei estar presente, pois não tenho as condições e os recursos necessários.
Procuro também uma carona para lá, então diminuirá o custo.
Qualquer valor depositado por vocês eu agradeço, seja 5,00, 10,00, 15,00 será bem vindo. Peço que não façam corrente com este pedido, pois ele é pessoal, e como disse, é por não ter recursos disponíveis no momento.

A conta da minha esposa será usada para receber algum apoio, pois a minha está no vermelho.

Banrisul
Nome: Iegle Cristiane Vicentim
Agência: Tapes - 0419
Conta: 35.028617.0-7

Quem depositar, peço que avisem a data e valor para ela sacar e me repassar.

Muito Obrigado!

Júlio Wadan