A ANCESTRALIDADE DA FAMÍLIA VILLAS BOAS - VILAS BOAS.

A ANCESTRALIDADE DA FAMÍLIA VILLAS BOAS - VILAS BOAS.

Por: Maria Francisca VILAS BOAS Leffer.

MARIA FRANCISCA VILAS BOAS LAFFER

Possui - Graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (1981); - Graduação em Educação Artística pela Universidade Federal do Paraná (1997); e Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (2000); Especialização em Artes Plásticas pela Faculdade de Artes do Paraná (1994); - Pedagoga e arte educadora. - Aposentada do padrão da Educação Básica pelo Estado do Paraná. Atualmente é professora adjunta da Universidade Tuiuti do Paraná atuando no Curso de Pedagogia como docente e supervisor de estágio. Nessa mesma Universidade é Supervisora de um Laboratório de Aprendizagem e Recreação, discutindo questões sobre o potencial investigativo da criança, tendo criado a metodologia: "Pedagogia Lúdica Investigativa Mediada". Discute alfabetização científica no contexto escolar, na concepção de que pesquisa se começa na educação infantil. Tem experiência em projetos interdisciplinares. Na área de artes tem estudos em alfabetização estética.

 <><><><><><><><><>

Essa apresentação foi realizada no III Encontro da Família VILLAS-BÔAS em Cuiabá no mês de setembro de 2017, foi um trabalho incansável investigativo feito pela prima Maria Francisca VILAS BOAS Leffer, que fez uma viagem a Portugal unicamente para realização dessa apresentação, o qual a Fundação VILLAS-BÔAS coloca a disposição de todos os pesquisadores e amantes dessa família que para nós VILLAS-BÔAS nos enche de orgulho por nós pertencermos a esse Clã que fez história, e continua fazendo com ilustres personagens que continuam honrando esse sobrenome.

Paulo Celso VILLAS-BÔAS
Presidente da Expedição e Fundação VILLAS-BÔAS.

<><><><><><><><><>

Início da Apresentação. (fotos acervo Profa.  Ms. Maria Francisca)

VEM COMIGO PARA PORTUGAL....... CONHECER EM BARCELOS E AIRÓ A ORIGEM DOS VILLAS- BÔAS - VILAS BOAS - Villasboas - vilasboas.
Diz a História....
Era uma vez...
Uma Família das mais antigas e ilustres de Entre Douro e Minho, no tempo do reinado D. Dinis (1270-1325).
HTTP://www.genealogia.villasboas.nom.br/genearca.html

REGIÃO VISITADA 1

Norte de Portugal

Nesse tempo se acha uma procuração dos Fidalgos de Riba Minho, e nos seus registros, uma assinatura de João Annes de Villasboas. É o primeiro homem que se tem notícia com este sobrenome. Ele é o Genearca da Família, aquele que gerou nosso sobrenome.
Também Senhor da Torre de Ayrô, ou Airó, situado a na freguesia de São Jorge de Ayrô, no termo dessa Vila de Barcelos, que é o Solar dessa Família.

EIS O LOCAL DA TORRE DE AIRÓ.... O SOLAR DOS Vilas Boas

SOLAR DE AIRÓ VILLAS BOAS 1   SOLAR DE AIRÓ VILLAS BOAS 2   SOLAR DE AIRÓ VILLAS BOAS 3

 SOLAR DE AIRÓ VILLAS BOAS 4   SOLAR DE AIRÓ VILLAS BOAS 5   SOLAR DE AIRÓ VILLAS BOAS 6

SOLAR DE AIRÓ VILLAS BOAS 8   SOLAR DE AIRÓ VILLAS BOAS 7   SOLAR DE AIRÓ VILLAS BOAS 9

SOLAR DE AIRÓ VILLAS BOAS 11   SOLAR DE AIRÓ VILLAS BOAS 10

                                         Fonte: Fotos feito por Maria Francisca Vilas Boas Leffer - Airó-Barcelos-Portugal

 MAS DE ONDE VEM A DESCENDÊNCIA DESSE SOBRENOME?

“A opinião mais seguida, e desse conforma mais, é que este apelido se deduz de um dos dois valorosos irmãos que vieram a este Reino do Estado de Florença na Toscana, um chamado D. Domin-Florentim e outro D. Fernando.”
HTTPS://pt.scribd.com/doc/135829474/gayo-vilasboas-pdf
Esses dois irmãos chegaram a este Reino para servir ao Rei D. Sancho II de Portugal (filho de D. Afonso II) – reinado (1223-1247) nas guerras contra Castela, e militando na Província de Trás-os-Montes fizeram ações de muito valor.
Sancho II era tio de D. Dinis.

GUERRA DE CASTELA VILLAS BOAS 1Guerra contra Castela (Espanha)

O Rei D. Sancho II vendo que duas Vilas haviam sido tomadas na batalha e seu povo sendo massacrado precisava mandar gente para retomá-las. Vendo isso, os dois irmãos Florentinos se oferecem a servir ao Rei pedindo gente para juntos reaver as Vilas.
“E indo com efeito sobre as ditas Vilas as tomaram, e renderam., e vindo ao Rei, lhe disseram = “- Senhor as Vilas já são vossas.” = ao que o Rei respondeu – “- Minhas não!, Por que eu vos faço mercê delas.” = e recusando os dois irmãos aceitá-las, lhe disse o Rei = - “-Aceitai que são Vilas boas" = O que foi o princípio deste apelido, ficando os dois irmãos Florentinos Senhores das ditas Vilas, e sendo depois necessário ao Rei arrasá-las, lhe deu outros bens e rendas em satisfação com jurisdição na Província de Entre Douro e Minho, onde tiveram o Castelo de Penafiel, e os Reguengos (terra dos reis) de Vilas Boas...”

RODOVIA QUE LEVA AO CASTELO 1   CASTELO PENAFIEL 1   CASTELO PENAFIEL 2

CASTELO PENAFIEL 3

                                                                                 Fonte: Fotos feito por Maria Francisca Vilas Boas Leffer. Airó-Barcelos- Portugal


 DEPOIS DA ORIGEM DO NOME - VEM A ORIGEM DAS TERRAS - DOS REGUENGOS.

A ORIGEM DA TORRE DE AIRÓ e da quinta do Solar dos Vilas Boas Região do Minho.

JOÃO ANNES DE VILLASBOAS foi o Senhor da Torre de Ayró, em São Jorge de Ayró. Fidalgo muito distinto. Isso está escrito nos registros do Rei D. Dinis I (1261-1325) – reinado (1279-1325). Filho de D. Afonso III.

Continue Lendo

O QUE É UMA PASSAGEM DE ANO? 2016 – 2017 Versão V

O QUE É UMA PASSAGEM DE ANO?

 2016 – 2017 Versão V

Todo final de ano a humanidade faz sua retrospectiva dos fatos nele acontecidos. No início de um novo ano, desejamos esperança, renascimento, otimismo e muitos votos de prosperidade e saúde para as pessoas que encontramos, para aquelas que gostamos e com as quais nos relacionamos.

Continuo afirmando que vivo o fim de ano como se fosse o meu último ano de vida, mas respirando e abrindo os olhos a cada dia. Então vejo que tenho que acreditar em um novo futuro, que preciso lutar e sonhar que não seremos abandonados por quem quer que seja. Só depende de mim, assim como também continuar informando os incautos.

Acredito nesse país. Acredito ainda em seu povo, apesar de pacífico. Porém, tudo tem limite nessa vida.

Quando me perguntam qual o meu partido ou qual político defendo ou admiro, respondo: “O meu partido é o Brasil; não respeito cartilhas.” Sou uma pessoa que acredita na magia do Papai Noel, que reverencia a chegada de Cristo que faz renascer a energia dentro da fé em um novo Brasil. E assim como Cristo no templo diante dos comerciantes, quero justiça sem anarquia, sem ódio, mas mostrando que em seu templo não há lugar para incrédulos. Assim sou eu com relação a políticos que não respeitam esse grande templo chamado Brasil: também quero a liberdade de ser respeitado, sem preconceitos de qualquer iniciativa popular ou de nações, desde que também me respeitem a livre e democrática opinião. Isso me faz transitar em meu país sem restrições, não pertencendo e não apoiando doutrinas esquizofrênicas. Isso, dentro do meu eu, chamo de Fé e assim preciso acreditar que, com os erros dos políticos, o povo invadirá o Congresso Nacional. Este, tornou-se um antro de pessoas de mau caráter, onde a passagem dos erros do executivo é abençoada pelo judiciário. O povo não aguenta mais, chegando a física e moralmente agredir seus representantes em lugares públicos, principalmente em aeroportos, onde ficam expostos, não podendo se esconder. Dessa forma o povo logo chegará dentro do Congresso Nacional e colocará todos no olho da rua. Reergueremos esse país com muita paz, com respeito ao dinheiro público e a todas as classes sociais. Amparados pela Constituição faremos a limpeza, retirando todos os safados e ladrões desse país.

Como?

MUDANÇA DE COMPORTAMENTO É A PALAVRA DE ORDEM!  É nosso dever colocar o patriotismo e nossa brasilidade acima de tudo, e mostrar ao mundo que podemos mudar esse quadro, essa vergonha nacional que escancaradamente vem acontecendo na política, suportada passivamente pelos brasileiros, até agora.

MUDANÇA DE COMPORTAMENTO

Na IV versão: O que é uma passagem de ano? -- 2015-2016 --  abordei:

O Brasil é o país mais corrupto do mundo. – Mais de 80 Bilhões desviados em corrupção por ano.

80 BILHÕES EM DESVIO PÚBLICO

Comentei também sobre a DITADURA VERMELHA no paraíso do faz de conta. Ela exige que o povo brasileiro trabalhe à exaustão cinco meses para o governo, com pesados impostos, fora os indiretos, que diretamente chegam ao governo -- quando compramos alimentos ou pagamos energia, água, telefone, e de compras em lojas ou restaurantes. Seguindo a estratégia, a ditadura vermelha empurrou e continua empurrando goela abaixo a farra do nosso dinheiro para financiar obras em outros países, para implantação do hoje fraco Foro de São Paulo e outros projetos como CEPLAC, UNASUL e assim por diante. Será que os exemplos de Cuba, Venezuela e outros países da América Latina falidos com esse modelo de socialismo imperialista, não bastam para a nação brasileira?

X4 DITADURA VERMELHA

VENEZUELA -- Nós brasileiros não queremos como espelho a VENEZUELA, não queremos mesmo! Para isso temos que valorizar as empresas nacionais e que as empresas que aqui se instalam, possam gerar emprego sem as escravaturas do capitalismo selvagem.

MANIFESTANTES VENEZUELA

Nesse ano que chega ao fim aconteceram vários fatos sociais e políticos. Vamos então resumir:

No âmbito social a Fundação VILLAS-BÔAS executou:

Em julho: A FVB participou como propositor do primeiro debate de políticas públicas para a inclusão dos sobrenomes dos indígenas no Pará em sua Carteira de Identidade, para que não sofram mais constrangimentos na esfera jurídica, na saúde e na educação.

IDENTIDADE INDÍGENA

De outubro a dezembro: A FVB deu suporte à ocupação pelos indígenas do DISEI-Pa. Pela intransigência do Ministro da Saúde, da não indicação de um indígena para a chefia desse órgão, onde documentalmente há provas de desvios de dinheiro público aonde os serviços executados (fictícios) não chegaram às comunidades indígenas. Como prova maior, nos sessenta dias de ocupação morreram sete indígenas por falta de atendimento e/ou medicamentos nas comunidades.

DISEI PAULO E OS INDÍGENAS 1

Na esfera Política:

Em meados de 2016, a PF, o MPF, e a Receita Federal tiveram indícios de que parte do dinheiro da corrupção de estatais e empreiteiras do Brasil estava sendo "lavada" por uma rede de doleiros até então desconhecida, instalada em Angola, o novo paraíso fiscal. Outros países como Nigéria, Moçambique e República Dominicana, também ficaram na mira dos investigadores.

Janeiro de 2016: o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou que o esquema de corrupção sustentado pelo PP na Petrobras havia desviado R$ 357,9 milhões dos cofres da estatal. A investigação também aconteceu na atuação do PT, PP e do PMDB no esquema. As três legendas, conforme o MPF, agiam como controladoras de áreas estratégicas da Petrobras, por meio do controle de diretorias, e beneficiárias diretas de desvios. 

Fevereiro de 2016: de acordo com o jornal El País, a Lava Jato ganhou alcance internacional com a prisão de João Santana e com a suspeita da Odebrecht ter pago propina de três milhões de dólares ao presidente do PeruOllanta Humala.

Em 29 de fevereiro: o procurador da República, Deltan Dallagnol, enviou uma manifestação à ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), defendendo que fosse mantida a investigação em curso sobre propriedades atribuídas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva dentro da Operação Lava Jato, a cargo do Ministério Público Federal no Paraná. O ofício havia sido uma resposta a um pedido feito por Lula para suspender a investigação sobre o apartamento no Guarujá e o sítio em Atibaia, que haviam envolvido construtoras investigadas no escândalo da Petrobras.

Deltan Dallagnol e LULA

Março: de acordo com a revista Isto É, o senador do PT Delcídio do Amaral disse em depoimento, em acordo de delação premiada, que Dilma e o ex-presidente Lula tentaram interferir na Operação Lava Jato.

De acordo com a revista, a então presidente havia conversado com auxiliares e nomeado ministros para tribunais superiores favoráveis à tese das defesas de acusados. 

Em 14 de março: o deputado Pedro Corrêa fechou acordo de deleção premiada.

Em 15 de março: o ministro do STF, Toeri Zavascki, homologou a delação do senador Delcídio do Amaral.

Em 17 de março:  o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e o procurador geral da Suíça, Michael Lauber, se reuniram em Berna para discutir cooperação entre os dois gabinetes com relação aos desvios na Petrobras. De acordo com comunicado da Suíça emitido no mesmo dia, os US$ 70 milhões que haviam sido congelados deveriam retornar ao Brasil. Haviam sessenta investigações que geraram o congelamento de 800 milhões de dólares.

Em entrevista à Revista Veja, Delcídio Amaral disse que a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sabiam sobre esquema de corrupção na Petrobras.

LULA E DILMA SABIAM DE TUDO CORRUPÇÃO

Delcídio, após delação premiada, revelou detalhes sobre um suposto plano para impedir que as investigações comandadas pelo juiz Sérgio Moro fossem adiante. Durante a entrevista, o senador repetiu várias vezes um "mea culpa" e disse que queria "ajudar a Justiça e a sociedade brasileira a descobrir quem são os verdadeiros vilões desta história".

Em Portugal, Dilma teria conversado informalmente com o ex-ministro da Justiça Cardoso e o ministro Lewandowski. Teori Zavascki, relator da Lava-Jato, não participou do encontro. Segundo o senador, Dilma teria tentado convencer Lewandowski a aderir, mas fracassou.

Em 19 de março: entrevista à Veja, Delcídio do Amaral afirmou que José Eduardo Cardozo havia vazado informações sobre a Operação Lava Jato na época em que era ministro da justiça para a presidente Dilma e outros interessados. Em nota, Cardozo negou as acusações e disse que iria tomar as medidas judiciais cabíveis.

Em 22 de março: desencadeou-se a "Operação Xepa" em oito estados.

Em 24 de março:  a ministra do STF, Carmen Lúcia, afirmou que a Lava Jato respeita rigorosamente a Constituição e as leis.

Em 3 de abril A Panama Papers revelou que a Mossack Fonseca havia criado offshores para pelo menos 57 indivíduos já publicamente relacionados ao esquema de corrupção originado na Petrobras. As informações eram originais, da base de dados da Mossack Fonseca, obtidas pelo jornal alemão Süddeutsche Zeitung e compartilhadas com o ICIJ.

11 de abril: por 38 votos a 27, a comissão do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff aprovou o parecer do relator, o deputado Jovair Arantes.

04 de maio: O procurador-geral da República enviou ao STF um pedido de abertura de inquérito para investigar a presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, na época ministro da justiça, por obstrução à justiça em tentativa de atrapalhar as investigações da Lava Jato, e também a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ministro da Casa Civil em 2016. 

05 de maio: O Supremo Tribunal Federal decidiu pelo afastamento de Eduardo Cunha da Presidência da Câmara de Deputados do Brasil.

12 de maio: Dilma Rousseff é afastada da Presidência da República após votação no Senado Federal pela admissibilidade do parecer favorável ao processo de impeachment. Quem assumiu interinamente por 180 dias foi Michel Temer, vice presidente.

07 de julho: O deputado afastado Eduardo Cunha renunciou ao cargo de presidente da Câmara dos Deputados do Brasil.

14 de julho: Rodrigo Maia é eleito presidente da Câmara dos Deputados do Brasil.

31 de agosto: Dilma Rousseff  foi definitivamente afastada da Presidência da República e Michel Temer assumiu o cargo titularmente.

IMPEACHMENT DE DILMA

Em setembro: A Procuradoria Geral da República prorrogou a força-tarefa da operação até o ano seguinte.

16 de novembro: O ex-governador do Rio de JaneiroAnthony Garotinho, foi preso pela Polícia Federal, na Operação Chequinho.

Em 19 de outubro: O ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, foi preso na Lava Jato, por decisão do juiz Sérgio Moro, após Cunha haver perdido o foro privilegiado ao ser cassado pelo plenário da Câmara.

17 de novembro: O ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral Filho, foi preso pela Polícia Federal, na 37ª fase da Operação Lava Jato.

04 de dezembro: Diversas manifestações contra a corrupção ocorreram em 26 estados e no Distrito Federal, assim como também em apoio à Operação Lava Jato e às Dez Medidas contra a corrupção, do projeto original do Ministério Público Federal.

14 de dezembro: O Deputado Rogério Rosso, autor do projeto 298/2016, soltou novo golpe no Brasil, apoiado por 192 deputados, para a ABERTURA DE NOVA CONSTITUITE com um só objetivo -- mudar a atual constituição para livrar os corruptos, ladrões e safados da Lava a Jato, com toda a certeza.

PEC 298.16

Que Lula vai a pé para Curitiba, num ato simbólico, vai mesmo! Que ele vai se encontrar com a querida, em vez de dar “Tchau, querida!”, sem dúvida! E que irão acertar a cabeça da jararaca, irão, com toda certeza!

 

Contudo, teremos que maciçamente invadir o Congresso Nacional no dia 01/02 e dizer aos políticos que não somos palhaços, muito menos idiotas. Eles se esquecem de que não é o tempo que está mudando; ele já mudou! E assim faremos uma INTERVENÇÃO CÍVICA CONSTITUCIONAL NO PAÍS e não será o General Eduardo VILLAS-BÔAS que fará um discurso oposto. Ele, por si só, não segurará os militares dissidentes que farão a diferença nesse país, os quais também não aguentam mais esse imbróglio.

Tenho dito. 

Eu me amo.

E amo esse país.

Eu acredito

E não vou desistir.

Feliz 2017 para os homens e mulheres que não são covardes e nem omissos, pois a legalidade e a legitimidade dependem de nós. Isso é o que as Forças Armadas vão esperar no dia 01/02/2017.

Queremos um Brasil com políticos de direita, centro e esquerda lutando de fato pelo Brasil com água limpa,alimentos nutritivos, moradia acessível, educação personalizada, assistência médica de primeira e energia abundante e não poluente, respeito aos direitos humanos (e não aos ladrões, crianças assassinas e políticos safados!). 

Será tudo isso utopia?

Creio que não.

 

Paulo VILLAS BÔAS 6

Paulo VILLAS-BÔAS
Presidente da Expedição e Fundação VILLAS-BÔAS

A RELAÇÃO DO HOMEM COM OS ANIMAIS

A RELAÇÃO DO HOMEM COM OS ANIMAIS

MÁRCIA WAYNA KAMBEBA

Por: Márcia Wayna Kambeba - indígena da etnia Omágua/Kambeba,

geógrafa, mestra em Geografia  - poeta indígena / cantora / compositora / fotografa / palestrante de assuntos indígenas e ambiental

O homem como ser animal se diferencia dos demais animais por ser racional. Ser dotado de inteligência e sabedoria. Os povos indígenas por longos anos vêm fortalecendo sua relação com a natureza em todo seu aspecto. E a relação com os animais tem um sentido de sagrado.

 

Alguns animais são para os povos indígenas sagrados pelo que eles representam dentro da cosmologia de cada povo. Para o Kambeba; por exemplo, a preguiça é um animal que representa a sabedoria, portanto, não se pode comer a preguiça.

 

PREGUIÇA COM SUA CRIA

Preguiça com sua cria

 

O mesmo acontece com os animais que representam os clãs, dentre eles se destaca o Tucano com seu canto, a onça que chamamos de yawararetê. Na cultura indígena a onça representa a força, a agilidade em se movimentar na mata, a pintada por exemplo tem agilidade tanto na agua quanto na mata, e representa o povo Kambeba. A onça preta representa o povo Tikuna ambos do Amazonas.

 

TUCANO                 ONÇA PINTADA

                      Tucano                                                                                Onça pintada

 

Na dança e no ritual os animais que são seres sagrados e místicos são invocados, chamados e reverenciados em forma de sons e gestos que os povos indígenas fazem. A dança da garça é um exemplo, na cultura Kambeba. Outra forma de contato com os animais e sua importância está na confecção dos instrumentos musicais. O tambor por exemplo, feito com tronco de madeira que representa a vida da mata e sua força, e o coro de animal que vai revestir esse tambor de vida. Por isso o som do tambor bate igual ao pulsar do coração. Traz a força do animal que imolado deu vida e som a esse instrumento tornando-o sagrado.

 

TAMBORES INDÍGENAS

Tambores madeira e peles

 

Na saúde indígena alguns animais são utilizados na cura corporal e espiritual. Temos o veneno do sapo que em alguns rituais é bastante usado. Banha de cobra, osso de veado, a mutuca preta que cura verrugas, entre outros animais usados na cura indígena. Além dos animais que são invocados pelo pajé onde há uma metamorfose de homem em animal. Para alguns povos comer o cérebro de japiim cru faz com que a criança aprenda tudo mais rápido.

PASSÁRO JAPIIM

Japiim passáro

 

Na alimentação os indígenas não pegam mais do que precisam. Acreditam que os seres encantados da floresta e os espíritos que a protegem podem castiga-los severamente. Um desses seres é o Curupira que se ficar bravo pode fazer com que o indígena se perca na floresta, ou até o encantar.

O CURUPIRA

O curupira - pés voltados para trás

 

Mas, os povos indígenas sabem que só podem pegar o que vão consumir, em excesso tende a estragar e eles temem por suas futuras gerações. Gostam muito de porco do mato, macaco, aves, peixe, anta, entre outros animais.

As aves são de fundamental importância para os indígenas, umas servem como mensageiras, avisam se algo vai acontecer de bom ou ruim com seu canto. Suas penas servem para adornos, cocar e a forma de extrair essas penas obedecem a um cuidado especial. Alguns povos usam as fases da lua para coletar, outros juntam as penas, cortam às vezes sem sacrificar ou causar dor a essa ave. As penas dão um significado as identidades de cada povo mostram a importância que o indígena tem dentro de sua sociedade.

Com a invasão de suas terras por não indígenas a mata e os animais ficaram ameaçados.

 

desmatamento em terras indígenas

                                            Areas desmatadas e queimadas em terras indígenas

 

Então, os indígenas buscam cuidar de seu recuso porque sabem que dele depende sua subsistência e a vida de seus filhos e netos. O que se vê são pessoas caçando por puro prazer sem pensar no amanhã. Muitos ainda fazem contrabando de animais que estão em situação de extinção como no Amazonas temos o sagui de coleira. Nas aldeias os animais correm livres dentro e fora do território ou centro da aldeia, vem quando sentem fome e voltam para a mata. Alguns até chegam a dividir o leite materno das mães com as crianças numa relação de amor e reciprocidade. É a natureza cuidando de quem a cuida com amor. Nessa relação homem natureza os povos indígenas nos ajudam a compreender que somos parte desse universo natural, portanto somos responsáveis pela vida animal e vegetal. Mas, a cidade esquece-se de que também vive e respira, de que também tem vida e trata com desamor os que de irracionais são mais racionais que muitos humanos.

TEXTO: Márcia kambeba

 

 

... QUANDO NÃO “DÁ CERTO” ...

... QUANDO NÃO “DÁ CERTO” ...

ANGÉLICA PASTORE

por: Angélica Pastori de Araujo

Historiadora, Geógrafa e Expedicionária da Fundação Villas-Bôas desde 2012

 

Há quase quatro anos atrás tive a honra de conhecer um Grão Mestre! Sim! Um Grão Mestre de uma ordem que criei para me ajudar a viver e conviver com as coisas frias e distantes deste mundo do século XXI e a qual me refiro como A Ordem Honrada da Cavalaria Medieval!

 

Estamos em tempos modernos, contemporâneos, multimidiáticos, virtuais globalizantes! Tudo e todos“são acessíveis” em fração de segundos e as pessoas ficam impacientes quando meros minutos de espera ao telefone, em uma conferencecallou em uma mera apresentação de slides de uma reunião ou aula ocorrem, o que deixa gente com nós do “Velho Código” calados e reflexivos a observar com um sorriso de Monalisa!

 

Assim vi meu querido Grão Mestre! Um homem experiente que viveu expressivas partes das várias faces históricas que nosso país já teve e que mesmo após tanto desencanto ainda vê o momento presente como ele realmente é: Um Presente!

 

Um chefe de pesquisa que valoriza tudo, nossa ansiedade, nossa vontade desenfreada, nosso deslumbramento muitas vezes exagerado. Um homem experiente na ciência aplicada, cuidadoso com as palavras na fala pública, na fala restrita e na palavra escrita e que com muita parcimônia nos leva a ver nossas falhas, ver que as tomadas de decisões que escolhemos podem nos levar a mais erros a despeito de nosso entusiasmo e de nossa boa intenção!

 

Rapidamente me tornei sua redatora, assessora de comunicação, assistente, divulgadora e o que mais poderia e saberia fazer! E considero-o Meu Chefe de Pesquisa, Meu Grão Mestre da Ordem Honrada da Cavalaria Medieval! Meu exemplo de Cavaleiro seguidor do “Velho Código”! Alguém que segue os ditames desse “Velho Código” há muito mais tempo que eu! Alguém que já planejou, combateu, perdeu e venceu muitas e muitas batalhas! Alguém que já pagou o alto preço por sua origem, nome e história pessoal e de família! Alguém que sabe das agruras e alegrias do ganho e da perda...

Sim! Temos que falar de perdas!

Sim!Temos que falar de fracassos!

Sim temos que encarar essas possibilidades!

 

Como seres humanos - temos que considerar sua grande porcentagem em nossos caminhos e decisões. Faz parte de ser um humano, um típico exemplar de homo sapiens sapiens; considerar que podemos falhar, viver essa falha, ser capaz de levantar após monumental queda e perda, olhar para trás e analisar os pedaços do que se quebrou e os rastros do que se perdeu como vestígios que nos darão a chave para o entendimento do porquê de nossos propósitos terem chegado a esse triste mas momentâneo fim!

 

Como cientistas, homens e mulheres que valorizam o conhecimento, temos que encarar a possibilidade da falha, do fracasso e da perda na forma de hipóteses, crises previstas e ter um plano de gestão para elas préescrito! Faz parte da maturidade considerá-los como bastante prováveis! Faz parte da maturidade da maturidade intelectual pensar em sua existência e considerar sua força em nossos cálculos de prejuízos prováveis e é da Ciência o ritmo de elaborar teorias, coletar dados, gerar modelos, testá-los, verificar que não funcionam, investigar o porquê do não funcionamento, desmontar todas as estruturas empregadas, descobrir onde ocorreram as falhas, se humanas, técnicas ou ambas e recomeçar!

 

Nos dois casos trata-se de uma empreitada e tanto! Muita gente – e sem sombra de dúvida eu estou inclusa – precisa de ajuda profissional qualificada para suportar a lida com as perdas, fracassos e derrota, que – como diz Trotsky – tomam mais tempo da nossa vida do que gostaríamos ou sequer imaginaríamos...

ANGÉLICA PASTORI 2012 2016

Tínhamos um sonho na Fundação Villas-Bôas em 2012! E lutamos muito nesse ano e em 2013 com novos guerreiros e guerreiras que vieram – eu nessa leva – com muitas propostas interessantes de divulgação! Viajamos, divulgamos por universidades importantes do estado de São Paulo, parte da equipe foi ao local-alvo de nossos trabalhos O Golfo do Marajó e realizou um trabalho de campo com dados, informações e conhecimentos suficientes para incrementar ainda mais a enorme série de programas já existentes graças ao trabalho de nosso Chefe de Pesquisa, em prol daqueles cuja voz não é ouvida! Nunca foi ouvida e – agora mesmo neste momento em que escrevo – padece de malária, omissão de socorro, negligência e abandono!

 GEPEA SUMAUMA UNESP DE FRANCA 1

Não sei identificar no que falhamos exatamente. O encantamento ao apresentar os programas propostos na Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo e na Universidade do Estado de São Paulo, campus Franca, foi absoluto. Falo do ângulo de apresentadora mesmo! Muita gente interessada!

 

Mas os programas não decolaram. As assinaturas solicitadas para uma das ações previstas em nossos programas o

 

Abaixo-assinado para levar ao Palácio do Planalto as demandas não cumpridas do Plano de Desenvolvimento Territorial Sustentável do Arquipélago do Marajó. (PDTSAM)

http://www.peticaopublica.com.br/?pi=VBMARAJO

continuam até hoje na casa das 700 assinaturas!

Um sério número! 700 assinaturas em mais de quatro anos de divulgação da plataforma de programas!

Por que este número lastimável?

A despeito de todos os nossos esforços?

 EVENTO EQUIPE BH 5

Nossas viagens, nossas palestras, nossas oficinas, apresentações, planos de ação, ações, avaliações das ações, projetos e programas feitos com tanto esmero!

 IMG 7350

Nosso trabalho de campo, tão emocionantes a fotos que as mídias sociais resgatam com o cabeçalho “há três anos atrás!”! Há três anos atrás???

Como chegamos a esses números?

Nossa pesquisa de gabinete!

Nossa atividade nas mídias sociais!

Nossos apoiadores!

Nada! Nada! Nada disso vingou!

Nada! Nada! Nada fez esses números mudarem!

 

Será a pauta? Será considerado “fora de moda” falar de um país que não se conhece? Afinal todo mundo nem precisa saber do que não conhece. Fica em sua zona de conforto e não questiona, não busca, não procura pela verdadeira face de seu país, de seus recantos e lugares mais remotos, se há pessoas por lá e como vivem... Se vivem! Esse tipo de assunto não dá manchete! Não se transforma em manchete de reportagem televisiva ou midiática! Não mobiliza pessoas! Não consegue milhares de assinaturas por minuto como uma das campanhas do greenpeace por um espécie de leão marinho rara que está em extinção no ártico por conta da exploração do petróleo ou no Ártico ou as campanhas do Avaaz contra a mutilação de mulheres muçulmanas em países do continente africano! Não se torna programa especial do canal OFF: o OFF DOCS ou ainda dos canais Nat Geo ou Discovery... Não dá voto, não elege agentes políticos do poder executivo ou legislativo!

 CENTRO COMERCIAL SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA

Será que falhamos em nossos Programas? A elaboração? O ponto de partida? A metodologia escrita? As problematizações? As metodologias escolhidas? A aplicabilidade do Plano de Comunicação? Será que falhamos na divulgação? Divulgamos mal? O que foi esse mal divulgar? Não fomos convincentes o suficiente para fazer as pessoas além de assinarem chamarem mais pessoas para assinar e se interessarem por convidar empresários da iniciativa privada para ver nossos programas? Não utilizamos nosso plano de comunicação – presente dos alunos da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo – adequadamente? Falhamos nos canais de comunicação que escolhemos para manifestar nossas intenções? Manifestamos mal o que pensamos e o que queremos ao ponto de depois de riquíssima apresentação – ainda acredito que é - tudo termina com “dois tapinhas nas costas e uma ou duas palavras sobre ‘lindo esse seu trabalho’, mas sempre terminando com ‘gostaria de poder contribuir, ajudar sabe? Mas o momento não é oportuno...’ ou então ‘a crise...’”, como nos conta nosso Grão Mestre voltando taciturno de mais uma reunião sem sucesso com mais um possível investidor, apoiador, patrocinador, colaborador que não vingou...

 

Enquanto isso as ilhas do Golfo sucumbem!

 

A malária, que já devora mais de metade da população da Ilha Principal, A Ilha do Marajó, só nos faz amargar ainda mais!

 

A falta de saneamento básico, a gravidez na pré-adolescência, a falta de postos de trabalho e de emprego, a pesca predatória, o extrativismo predatório, o turismo sexual, o tráfico e outras tantas atividades ilícitas só aceleram a decadência iminente e nos deixam depressivos!Depressivos por se tratar de um trabalho pelo qual há anos nos dedicamos apaixonadamente. O trabalho de lutar porum dos lugares mais belos do país, de arte e gente únicas. Mas que como tantos pontos remotos e belos do Brasil, enquanto não aparecem na Rede Globo de Televisão... Não existem!

 

Sim fracassamos! Fomos a Universidade de São Paulo e fracassamos, fomos à Universidade do Estado de São Paulo e fracassamos, fomos à própria ilha do Marajó, coletar dados e constatar possibilidades de resiliência e pontos de alta sensibilidade ambiental e socioambiental das populações e comunidades e fracassamos!

 

E o quanto antes encararmos isso e recomeçarmos melhor!

 

Levantemo-nos do chão cavaleiros e cavaleiras! Guerreiros e guerreiras! Mestres e mestras, jovens guerreiros e jovens guerreiras! Limpemos as feridas e coloquemos sobre elas unguentos e bandagens, recoloquemos nossas cotas de malha, grevas, dragonas e armaduras! Voltemos a polir nossos escudos e afiar nossas espadas! Conversemos com nossos cavalos e voltemos a abrir as cartas sobre a mesa da tenda principal de nossa base de operações! Vamos avaliar nossas falhas, enfrentar nossos fracassos e procrastinações! A hora é essa! Vamos! Agora! Todos!

 

Sentemo-nos todos em volta do fogo à noitinha e ouçamos a voz calma e os conselhos sábios de nosso Grão Mestre! Nosso Chefe de Pesquisa! Nosso Cavaleiro do “Velho Código”!

 VIAGEM MARAJÓ A GRANDE EXPEDIÇÃO

Abraços e – nas palavras de nosso Grão Mestre do Velho Código –

 

“Saudações Florestais”

 

Para você Paulo Celso Villas-Bôas com todo o amor e admiração desta sua fã, amiga e expedicionária,

 

GOVERNO PROMOVE GENOCÍDIO NO BRASIL - GUARANI-KAIOWÁS

GUARANI-KAIOWÁS E OUTRAS ETNIAS ESTÃO EM GUERRA CONTRA ESSE GOVERNO NEFASTO.
2 GUARANI KAIOWÁ EM GUERRA

MORTES ANUNCIADAS PELO GOVERNO DILMA QUE USA SEU MINISTRO DA JUSTIÇA COMO ESCUDO.

Guerra e morte anunciada em terras de Mato Grosso do Sul e em muitas outras regiões do país. Os conflitos onde os índios não têm solução de homologação de suas terras começam a dar as respostas não obtidas apesar das muitas vezes em que estiveram em Brasília.
Agora o que está em discussão é o plano do Foro de São Paulo (Dilma / Lula / FHC), usando o gramscismo como arma para que a população brasileira fique perplexa de ambos os lados em conflito. A insegurança jurídica é um farto preponderante nessas análises na qual, há décadas, vive o país.

O governo sabe disso muito bem e usa as revoltas dos indígenas para fomentar mais ainda esse caos onde índios, fazendeiros, posseiros e grileiros fazem o jogo que o governo quer. Eles não têm a solução sensata e justa para quem quer que seja, as comunidades indígenas não são os culpados.

Veja essa declaração:

Em entrevista à jornalista Mônica Bergamo da Folha de São Paulo, a Ministra Katia Abreu disse que as demarcações estão paradas e continuarão paradas. “Não sai mais nada do jeito que está”. A essa  presidente, com dentes da personagem principal da estória de Mauricio de Souza, perguntamos: “Que tipo de coelhinha pensa usar essa tramóia com seu ministro da justiça consorciados com a rainha dos latifúndios? ”

 

ÍNDIO KATIA ABREU BARRA HOMOLOGAÇÕES

 

Lideranças indígenas, não se deixem ser manipulados por esse governo sórdido, e que apenas irá usá-los como pretexto de que vocês são os bandidos e não que assim agem por justiça e por justiça de direito.


Em outro vídeo uma índia desesperada, moradora de Brasília, pede para que os movimentos sociais como o MST e outros bonzinhos também entrem nessa briga em nome dos índios para a segurança dos mesmos. Isso nada mais é do que jogar a culpa em quem não tem mais o que esperar desse falso governo e não estão nem aí para o genocídio que acontecerá com certeza, como fez Hitler, que matava seus próprios pares e culpava os mais fracos. Dilma está contando sua história por trás dessa obsessão do comunismo e matando pessoas inocentes.
 

Em agosto de 2013 várias lideranças estiveram em Brasília para essas reivindicações e o governo, por medo das manifestações de junho em todo Brasil e a futura eleição de 2014. Montou-se o circo da alegria e a própria presidente, em sinal de diálogo com a população brasileira, recebe as lideranças indígenas juntamente com o Ministro da Justiça Sr. José Eduardo Cardoso e o Ministro da Casa Civil Sr. Gilberto de Carvalho. As reivindicações entraram em um dos ouvidos e saiu pelo outro, e as lideranças indígenas mandadas de volta para suas comunidades em aviões da FAB.

 

DEMARCAÇÃO JÁ ÍNDIO


Em maio de 2015 novamente outras lideranças voltaram a Brasília para cobrar o prometido. O ministro culpa o judiciário pela demora, o que não é verdade conforme a frase da Sra. Kátia Abreu, pois em 2013 já havia em seu gabinete, ou até em sua gaveta, 21 processos de terras demarcadas e livres de quaisquer pendências administrativas ou judiciais. A Sra. Dilma não assinou porque não quis e não quer. Era assinar num dia e no outro poderia estar sendo publicado no Diário Oficial da União, como afirmou o indigenista ex-presidente da FUNAI e instituidor do ISA – Instituto Sócio Ambiental Márcio Santelli ao jornal Folha de São Paulo. – Hoje com certeza não estaria nessa problemática.
 

ÍNDIOS COM O MINISTRO DA JUSTIÇA

 

- Dezoito lideranças em maio de 2015 pediram para discutir com o governo, onde novamente ouviram mentiras do Sr. ministro, o qual negou-se a assinar 11 portarias de áreas que precisam seguir para homologação pela presidente Dilma Rousseff (PT). O ministro novamente negou, os líderes saíram da reunião e enviaram o recado registrado novamente na Folha de São Paulo: - “Estamos em guerra e muitos fazendeiros irão morrer por culpa dele (ministro da justiça)” que obviamente quer ver o circo pegar fogo e está morrendo de rir com tal situação juntamente com a sra. presidente.


É lógico que os indígenas têm razão, dos 817.693 índios brasileiros, (0,21% da população do país) de diversas etnias reivindicam a demarcação das terras às quais têm direito, de acordo com estudos antropológicos feitos nessas áreas a pedido do governo federal que comprovaram que as terras pertenceram aos ancestrais deles.


Por outro lado, vários fazendeiros comprovam que foram assentados pelo próprio governo pela reforma agrária e exibem títulos da terra. Outros são grileiros e assim por diante, pois vários cartórios registram 5 ou mais títulos de uma só terra, formando assim uma situação difícil para que se faça justiça a uma sociedade que produz em torno de uma cidade e escoa sua produção e receberam convites desse governo e de governos passados. Eles, os governantes, não fazem justiça das injustiças com seu próprio povo, seja branco ou índio.


 

ÍNDIO FAZENDEIRO MOSTRA TÍTULO DE TERRA

 

O país está falido por um péssimo governo que gasta mais do que arrecada e pela corrupção que assola em mega contratos tanto em território nacional como internacional, passando pelo BNDES. Hoje a Polícia Federal há de prender os ladrões de galinhas que são os diretores das estatais, como também os grandes que intermediaram com os presidentes de outros países em contratos que não cumpriram como manda a lei.


Como então o governo irá obedecer a Constituição Federal que diz que os índios têm, sim, direito às terras tradicionais, cujo orçamento, conforme sua apresentação para 2016, já tem um rombo de 30 bilhões, onde os parlamentares dizem que ultrapassa dos 70 bilhões? Como indenizar esses fazendeiros quando isso não está na contabilidade de 2016? Como então resolver essa questão sem mortes? Não que não seja possível e exequível; é o que eles (governo) querem mesmo. Mortes no campo e depois nos centros urbanos para dar o golpe fatal da tomada do comunismo no Brasil. Só não enxerga quem se faz de cego, pois um cidadão com deficiência visual enxerga muito mais, pois tem inteligência.


Então, os proprietários não sairão de “suas propriedades” e vão recorrer à justiça ou à bala, como já está ocorrendo, para permanecerem em suas terras. Por sua vez, os índios vivem em áreas diminutas e improvisadas, onde não podem produzir ou viver com a dignidade que lhes é peculiar, sofrendo espancamentos, estupros de índias inocentes, incêndios noturnos por capangas, para que também saiam dessas áreas. Desde 2003, 563 índios foram assassinados, e nessas duas semanas foram mortos mais 3 índios, dentre eles uma criança, conforme relatou em sua matéria publicada em nosso portal e vários blogs e revistas a nossa coordenadora regional de São Paulo – Maria Villas Bôas. Hoje dia 04, ela informa que são 8 mortos, fora os que estão desaparecidos. Muita gente ferida, crianças famintas, grávidas e não grávidas que foram amarradas e torturadas por horas.
-  Nós dizemos: BASTA de opressão e humilhação!
 
A isso chamamos de início de uma guerra civil de fato e declarada. Primeiro será no campo, longe dos grandes centros urbanos. Depois, seremos nós.  

Ou criamos coragem e postulamos com uma INTERVENÇÃO POPULAR URGENTE e ganhamos essa queda de braço contra esse comunismo anunciado ou seremos vítimas dessa escória.


 

Paulo VILLAS BÔAS 6

VILLAS-BÔAS Paulo Celso
Presidente da Expedição e Fundação VILLAS-BÔAS


Fontes:

http://www.valor.com.br/politica/3567454/indios-protestam-em-brasilia-e-pedem-audiencia-com-cardozo

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2013/08/1330867-governo-usa-justica-como-desculpa-para-justificar-omissao-diz-especialista.shtml

http://www.mda.gov.br/sitemda/secretaria/serfal/apresenta%C3%A7%C3%A3o

http://www.axa.org.br/2014/08/programa-terra-legal-pretende-expedir-400-titulos-em-mato-grosso/

http://www.cartacapital.com.br/sustentabilidade/metade-dos-documentos-de-posse-de-terra-no-brasil-e-ilegal-7116.html

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/01/1570557-nao-existe-mais-latifundio-no-brasil-diz-nova-ministra-da-agricultura.shtml

http://www.questaoindigena.org/2015/01/nao-sai-mais-nada-do-jeito-que-esta-diz.html

http://brasil.elpais.com/brasil/2014/06/15/politica/1402787022_962819.html